¿Jugar con la tecnología o la tecnología del juego?

¿Cómo valorar la actuación del educador a través de la identidad y de la tecnología?

¿Cómo los juegos y la tecnología pueden mejorar los ambientes de aprendizaje?

¿Cuáles son las soluciones tecnológicas para la creciente falta de movilidad en las grandes ciudades?

¿Qué tipo de arte se está produciendo con los actuales recursos tecnológicos?

¿Qué tipo de reflexión crítica puede producir un arte producido por los medios de comunicación?

 

Jogar com a tecnologia ou a tecnologia do jogo?

Como avaliar a atuação do educador através da identidade e da tecnologia?

Como os jogos e a tecnologia podem melhorar os ambientes de aprendizagem?

Quais são as soluções tecnológicas para a crescente falta de mobilidade nas grandes cidades?

Que tipo de arte se está produzindo com os atuais recursos tecnológicos?

Que tipo de reflexão crítica pode produzir uma arte produzida pelos meios de comunicação?

 

Vistas: 564

Respuestas a esta discusión

¿Cómo los juegos y la tecnología pueden mejorar los ambientes de aprendizaje?

Existen condiciones básicas para que el aprendizaje pueda producirse. No se aprende en la incomodidad, ni en el desánimo, ni en la monotonía, ni en un largo etcétera de condiciones desfavorables. Lamentablemente en las últimas décadas las escuelas han caído en una tendencia basada en las condiciones enumeradas anteriormente. En algún momento alguien o algunos constataron que aprender no calza con lo lúdico porque pierde la formalidad y la seriedad. No cayeron en que divertirse y aprender no son acciones excluyentes, de hecho, ahora nos damos cuenta de que son condiciones sine qua non. Resulta difícil aprender si no se plantea desde la alegría y la diversión.

La tecnología ofrece nuevas formas de ludificar el aprendizaje e incide en una premisa básica fundamental en la acción de aprender, la motivación.

La esencia de los juegos es la diversión, pasarla bien, disfrutar; implementar un ecosistema que brinde al alumno ese entorno para el aprendizaje es el gran reto y las herramientas tecnológicas nos dan muchas posibilidades.

Buenas tardes, les hablo desde Madrid y mi experiencia como docente me permite contestar a algunas de las siguientes preguntas.

1.Y soy más de jugar con la tecnología, utilizar las herramientas para cuando me parezcan oportunas, no todas son buenas ni todas necesarias para aprender, ayudan y mucho pero a veces son superficiales. El concepto de la tecnología del juego no me atrae, porque no me interesa programar sí me interesa aplicar la tecnología a mis ideas para modernizar la enseñanza de mi asignatura que es español como lengua y literatura.

2.El educador hoy tiene un papel muy importante que es el de saber transmitir todo lo bueno e interesante que hay en la red. creo que debe sintetizar lo importante y necesario en cada campo, para poder transmitir el conocimiento y saber hacer picar en el alumno la curiosidad de investigar y personalizar los intereses de la materia.

3. Mucho, creo que se necesita muchas aplicaciones y juegos sobre todo en mi materia. la lengua y literatura sigue apareciendo en la red de manera un poco tradicional, creo que habría que hacer más juegos que a la vez que se divierten aprendan literatura y cultura de España.

4. realmente no entiendo esta pregunta.

5. Creo que es interesante y muy creativo.

6. Debería conseguir más reacción del usuario y hacerse muchas exposiciones virtuales, hacer superaccesible el arte a todo el mundo y que participara todo el mundo artístico en la red.

Olá pessoal,

Que satisfação receber aqui neste espaço o pessoal do projeto Memórias do Futuro e Laboratório Móvel de Tecnologias! Eles vão contar um pouco sobre essas iniciativas aqui no Brasil e, consequentemente, como se dá esta "dança" entre arte e tecnologia em diferentes contextos. 

Não deixem de visitar as páginas dos projetos e os vídeos, sugeridos aqui neste espaço, para conhecerem melhor cada proposta e conversarmos mais sobre o aprender por meio dessas iniciativas.

Podría darse el doble sentido. Jugar con la tecnología es ser capaz de manejarla, de adquirir habilidades para acceder a lo que ella ofrece. Emplearla para un propósito, hacerla un espacio lúdico, disfrutar su uso.

Hablar de la tecnologvía del juego es pensar desde todas esas técnicas y herramientas que pérmiten jugar, que permiten crear estructuras para el juego, que permiten sistematizar los juegos y darle una forma.

Un maestro puede asumir su trabajo desde lo que es y es capaz de hacer, desde sus saberes y experiencias, apoyándose en la tecnología para acercarse a los procesos educativos y a sus estudiantes en un marco más real, ajustado a los cambios de los tiempos.

Los juegos y la tecnología pueden mejorar los ambientes de aprendizaje si se les mira desde un proceso pedagógico, lúdico, democrático, sistemático, confiable, brindando espacios al interior de la escuela y fuera de ella, Si permite aprender porque cuenta con los espacios, ambientes, estrategias, recursos atractivos, fáciles de manejar y disponibles.

La solución para la falta de movilidad en las grandes ciudades es la virtualidad, las redes de aprendizaje, la educación asincrónica.

Actualmente se podría decir frente al estado del arte del uso de la tecnología, que está se usa para comunicarse, para  grupos, compartir información de diferente índole, para encontarse con otros, para logar apoyo de grandes, para hacer denuncias, mercadeo, publicidad, pero, no se está utilizando para adelantar grandes procesos de aprendizaje.

La reflexión crítica que se produce  frente al arte producido por los medios de comunicación va dirigida a la revisión del uso de los poderes para lograr sometimiento, consumismo, afiliación aciertas ideologías, inclinación hacia determinadas posturas, control a la opinión para dejar que lo que conviene se sepa y lo que no, se oculte o tergiverse

El avance de la tecnologia en el campo educativo, esta permitiendo a los docentes mejorar sus estrategias de enseñanza y a la vez aprovechar los recursos que esta provee mediante los juegos interactivos y la participación activa de los estudiantes que debe ser promovida y encaminada adecuadamente para el provecho de su educación de los niños.

los juegos que puede crear el docente mediante una variedad de programas y los que pueda seleccionar del Internet, los puede utilizar para fomentar el aprendizaje interactivo de los estudiantes para poder salir de la monotonia en el aprendizaje.

Olá a todos,

Meu nome é Lia Mattos, faço parte da equipe do Memórias do Futuro, e estamos integrando a equipe Brasil neste tema 8.

O Memórias do Futuro – Olhares da Infância brasileira – é uma ação que estimula a pesquisa da Cultura da Infância do Brasil e a utilização das tecnologias digitais móveis de forma criativa em espaços formais e não formais de educação.

Traz a proposta de um espaço de construção coletiva de conteúdos audiovisuais sobre a Memória da identidade cultural e a Cultura da Criança de comunidades brasileiras possibilitando a partir daí práticas educativas multidisciplinares, através de um processo de sensibilização do olhar investigativo e criativo de jovens, educadores e crianças.

Desde o principio o Memórias do Futuro defende que o Brincar é fundamental para o desenvolvimento humano, e que as tecnologias digitais podem sim ser/estar aliadas neste processo de desenvolvimento. Muitas vezes nos pegamos culpando as tecnologias quando percebemos as crianças e jovens tanto tempo sozinhos como seus aparelhos, e muitas vezes também em muitos dos espaços educativos os professores e pais se percebem sem saber o que fazer com os meninos nestas situações de isolamento.

Então respondendo as questões iniciais propostas neste fórum, coloco:

Devemos sempre receber e perceber as tecnologias digitais de forma encantadora e ativa, e não de forma que elas nos "prendam" e desestimulem o nosso potencial criativo. Elas podem e devem ser recebidas por todos nós, independente da idade como um brinquedo. E porque um brinquedo?

Se percebermos os brinquedos da nossa infância, eles estão o tempo inteiro nos desafiando, estimulando a criação, o contato, o convívio e a beleza. As formas, desenhos, cantigas, a língua estão sempre presentes, em um constante espaço reflexivo, criativo e social. Acredito na tecnologia como um novo brinquedo que possibilita um estímulo ao convívio, à reflexão e a criação, desde que sejam orientadas a serem utilizadas de tal forma.

Por este motivo, é fundamental a preparação dos educadores (sejam eles professores, pais ou quem quer que esteja fazendo a intermediação) para a utilização destas tecnologias. Eles necessitam saber como orientá-los, e também precisam de uma: "orientação para a orientação", já que para muitos educadores, é uma situação completamente nova, e muitas vezes eles não tem o domínio sobre o tema, sentem-se inseguros.

O fato é que está posta aí uma cultura de massa, que distoa muitas vezes da realidade cultural de muitas comunidades e com isso, a identidade cultural local vai sendo “engolida” pela mídia global. O trabalho que precisa ser pensado, feito e colocado para e pelos educadores é de integração, ou seja, sua Memória cultural, sua história e identidade precisa de valorizada e colocada como um eixo fundamental para a construção do seu espaço de ensino-aprendizagem, para que a partir daí ele possa agregar as novas informações e situações. Criando então aí um contexto histórico/social/cultural e político para agregar diferente temas situações e possibilidades e técnicas de ensino-aprendizagem.

No Memórias do Futuro por exemplo, utilizamos o recurso audiovisual para a aproximação destas histórias e gerações ao mesmo tempo em que estamos possibilitando a troca de experiências educativas que aliam o brincar e histórias tradicionais às  práticas educativas dos professores que atuam especialmente com crianças e jovens, trazendo novas possibilidades de registros e intercâmbios destas experiências fazendo do espaço educativo, um espaço rico de informações e principalmente vivo, que faça sentido para quem está ali.

E a partir deste momento em que tanto o educando quanto o educador passam a ser produtores do seu conteúdo, estamos estimulando esse olhar investigativo, que se inicia com a história de cada um e parte para uma escuta e um olhar sensível maior. Eles se percebem! Despertando assim a consciência crítica e um respeito à história e aos temas mais atuais, tendo como resultados um ambiente rico de aprendizagem, com conteúdos de fato relevantes e muitas vezes com um nível artístico-estético muito bom.

Para conhecer mais o Memórias do Futuro acessem: www.memoriasdofuturo.com.br

¿Qué tipo de arte se está produciendo con los actuales recursos tecnológicos?

Un arte digital, ubicuo y abierto. Se puede compartir con infinidad de personas y se puede acceder a el desde infinidad de lugares.

¿Es correcto?

Caros, 

Peço desculpas por chegar atrasado na conversa. Meu nome é Lucas Bambozzi e estou no fórum representando o projeto Labmovel - que se iniciou com o nome de "Laboratório móvel de criação, difusão e acessibilidade" no ano passado. É um projeto muito simples, basicamente uma plataforma de ações montada em uma Kombi Safari. Essas ações estão sempre ligadas a formas de criação em meios tecnológicos para as quais se pensa também em estratégias de alcance mais popular bem como em expandir a acessibilidade a esses meios (daí o título mais longo do projeto). Nesse aspecto o projeto lida mais diretamente com algumas questões apontadas aqui, em especial essas duas:

 

¿Cuáles son las soluciones tecnológicas para la creciente falta de movilidad en las grandes ciudades?

 

Essa pergunta foi de alguma forma questionada por Blanca Aparicio Fernández, que mecnionou não a ter compreendido. Pois bem, gostaria de introduzir um trecho de um vídeo onde há alguns pontos em torno dessa questão.

 

Festival arte.mov 2010 - São Paulo from arte.mov on Vimeo.

https://vimeo.com/33227551

 

Peço que avancem para um ponto situado aos 01:08 minutos do video, onde fala a urbanista Raquel Rolnik. Ela menciona um paradoxo nas grandes cidades hoje. Ela diz: "As possibilidades abertas pelas tecnologias são de uma mobilidade quase infinita em termos de compartilhamento, entretanto esse momento está marcado pela imobilidade, pelo bloqueio, pelo desmonte do que se pode chamar de um esfera publica cidadã, que constituiria um espaço de decisão sobre os territórios da cidade". É um depoimento curto, de uns 40 segundos e creio que vale a pena ouvir, pela contundência da fala.

 

Mas não temos as exatas soluções para isso. Acreditamos que há que buscar possibilidades de vários tipos, entre a mobilidade convencional e as ações previstas pelo planejamento da expansão da cidade (o transporte urbano por exemplo, finalmente em amplo debate nos últimos dias). Mas é necessário pensar também e ações independentes (que partem das pessoas, em iniciativas minimamente coletivas). Algumas são informais, outras mais institucionais. O Labmovel é uma dessas iniciativas informais. Pensamos numa Kombi, e não em um ônibus exatamente para não criarmos mais tráfego na cidade. E pensamos também que proporcionar acesso a criação em meios tecnológicos podem disparar outras iniciativas igualmente informais, experimentais e que vão em algum momento poder ser pensadas como soluções, temporárias que sejam. Tentamos sair de uma região saturada de ofertas e incitamos atividades em outras regiões, menos favorecidas. E em breve esperamos ter estruturas ainda mais ágeis, montadas sobre bicicletas, carrinhos, veículos leves e otimizados para disparar iniciativas. Pensando na provocação da urbanista Raquel Rolnik: não é apenas comunicação que vai dar conta desse nosso espaço complexo, mas são ações híbridas, que empregam um pouco da cada tecnologia.

Com relação à ultima pergunta debatida aqui:

¿Qué tipo de arte se está produciendo con los actuales recursos tecnológicos?

 

A resposta del Equipo Fund. Telefónica ESPAÑA me parece muito boa. Mas tentando aprofundar um pouco, vale acreditar que a arte que interessa deve sempre partir de uma análise profunda do contexto (social, politico, econômico e cultural) que a gera.

Gosto de uma visão da arte como uma espécie de “sintoma” da sociedade. Para Hegel por exemplo (1770-1831) a arte, ou as obras de arte, são indissociáveis da história e tornam visíveis seu próprio desenvolvimento.

Nos dias de hoje, há em curso um processo em que a convergência entre os meios de comunicação e a prática artística cumprem um papel fundamental: e surge uma arte feita com os instrumentos técnicos atuais, propondo uma reflexão sobre o mundo que se configura e nos envolve, e as responsabilidades de sua construção, supostamente coletiva. Segundo esse pensamento, os meios ou tecnologias utilizados importam menos do que entender esse estado de coisas, esse "sintoma".

 

A documentação das atividades do Labmovel no ano passado podem ser vistas aqui:

LABMOVEL 2012 from Labmovel on Vimeo.

Saludos Lucas, ¡bienvenido! es un placer contar con tu aportación.

El arte debe siempre partir de un análisis profundo del contexto, no se pueden desasociar de la historia que lo contextualiza. En la actualidad el contexto del arte se encuentra mediatizado por el avance de las tecnologías, pero la importancia es entender ese "síntoma" que indicas esconde cada obra de arte y no las herramientas de construcción.

Muchísimas gracias por la aclaración y seguimos debatiendo.

Olá a todos, bom dia!

 

¿Qué tipo de arte se está produciendo con los actuales recursos tecnológicos?

 

Muito boa a colocação do Lucas, quando ele fala que "vale acreditar que a arte que interessa deve sempre partir de uma análise profunda do contexto (social, politico, econômico e cultural) que a gera".

 

Percebo, quase sempre, em diversas manifestações artísticas os "Sintomas sociais", do qual ele fala, porém também acredito que existe uma outro lado das criações artísticas, sejam elas criadas a partir dos recursos tecnológicos ou não, que não partem necessariamente destes sintomas sociais, e sim de um lado mais subjetivo, e eu diria que quase misterioso, do ser humano.

 

A expressão por si só, pela simples necessidade do belo ou do trágico ou do cômico... Talvez a expressão das diversas faces que o ser humano possui, que muitos chamam de personalidades, outros de alma, espírito... A  nomenclatura não importa, mas acredito que é algo puro e essencial, próprio daquele ser, que tem que ser dito, colocado de alguma maneira, e que consequentemente após a sua colocação se mistura com o contexto social em que aquela expressão foi inserida, transformando-se quase que instantaneamente em uma célula do "sintoma social".

 

E aí neste momento percebo que os recursos tecnológicos atuais tem este poder quase misterioso, quanto este lado criador essencial do ser humano. Eles possibilitam que estas produções artísticas, sejam elas frutos dos sintomas sociais ou sejam fruto da poesia do ser, se encontrem em espaços comuns e se recoloquem para a sociedade como um "Espaço reflexivo". As reações à este espaço são várias.

 

Ou seja, este encontro, faz como que estas expressões sejam constantemente acessadas e complementadas ou recriadas e novamente recolocadas. Aí então acredito em uma grande expressão criadora/reflexiva coletiva, que acontece muitas vezes sutilmente quase despercebidas, e outras vezes de formas avassaladoras.

 

Considero aqui, que as expressões artísticas nos espaços e recursos tecnológicos atuais sempre se encontram nas suas diversas linguagens (literal, musical, plástica, visual), todas elas acessam o nosso lado sensível, estimulando uma nova criação, inicialmente singular e muito particular para quase imediatamente uma produção coletiva.

 

Acredito que respondo em parte, quando a equipe da fundação coloca:

"Un arte digital, ubicuo y abierto. Se puede compartir con infinidad de personas y se puede acceder a el desde infinidad de lugares.

¿Es correcto?"

 

Acredito que sim, e esse acesso  acontece não só com  a infinidade de lugares e pessoas, mas também acessando o mais lado profundo, reflexivo  e sensível do ser humano e da sociedade

 

 

Muito bem colocado Lia!

Nao se pode esquecer jamais do valor das experiências no campo simbólico e estético, algo que nem sempre vem de fora, como resposta ou reação a um estado de coisas (o contexto "lá fora" que invade o "aqui dentro"), mas o que vem da subjetivdade e se transborda para o(s) outro(s). E acredito inclusive no quanto essas experiências também vão, aos poucos, mudando comportamentos.

 

RSS

Nuevo Proyecto Fundación Teléfonica

EXPERIENCIAS EDUCATIVAS SXXI

¿Quieres conocer las últimas experiencias educativas? Asómate al nuevo proyecto de Fundación Telefónica

Encuentro Internacional Educación

imagem enlace à vídeo

Álbum fotográfico

Insiders

imagen enlace a la página de los insiders

imagem enlace à página dos insiders

© 2019   Creada por Encuentro Educación 2012 - 2013.   Con tecnología de

Insignias  |  Informar un problema  |  Términos de servicio