Qual sua opinião? A internet estimula uma curiosidade mais superficial ou é um excelente espaço para nos aprofundarmos?

Postei há pouco no meu blog aqui do Encuentro a entrevista de ontem do escritor brasileiro Ziraldo sobre o papel da escola, dos professores (por conta do lançamento do filme "Uma Professora Maluquinha") e dos alunos na realidade atual.

Em certo momento ele falava sobre o uso da internet:

"Para poder fazer uma criança leitora, o lar é muito importante. Os pais têm que encher a casa de livros. E ficarem atentos para não deixar a criança chegar à internet sem passar pelo livro. A internet é a maior dádiva do ser humano, quem sabe mais importante até do que Gutemberg. Mas estimula uma curiosidade mais superficial."

 

Qual sua opinião? A internet estimula uma curiosidade mais superficial ou é um excelente espaço para nos aprofundarmos?


P.S. O filme é uma graça, meus filhos viram na pré-estreia e adoraram.

Vistas: 1453

Las respuestas están cerradas para esta discusión.

Respuestas a esta discusión

Quanto à internet, concordo com o Ziraldo.

Ela é uma ferramenta facilitadora e se acostumar com facilidades é natural.

A leitura precisa ir além da tela, a pesquisa além do google e a escrita além dos blogs.

Livros, revistas e jornais não foram - e pra mim não poder ser - ultrapassados, mas são raros na vida dos pequenos de hoje - se comparado às outras gerações. São como viagens intelectuais no tempo, abrem a cabeça e precisam ser estimulados pelos pais e escolas.

Acho que a Internet pode ser uma aliada, o problema não está nela, e sim no mal uso.
Concordo que a pesquisa escolar deve ir além do google, mas acredito que é exatamente aí que a tecnologia sendo usada com orientação, pode colaborar para tornar-se interessante com essa geração tão conectada. Hoje li a Folha (jornal que gosto muito) no Ipad de uma amiga, e achei a navegação super amigável, de imediato pensei no beneficio para a nova geração. 

Outra descoberta de hoje, foi um blog muito bacana que compartilha experiências educacionais de uso do conteúdo pedagógico nas aulas de informática. Contei aqui: http://encuentro2011.educared.org/profiles/blogs/blog-compartilha-e...

Curioso este seu comentário. Ontem mesmo eu revivi um post antigão meu que falava sobre criar um ambiente leitor e habituar a criança a ler e escrever. Na época meu filho mais velho estava no primeiro ano do ensino fundamental e vejo que hoje, no primeiro ano do fundamental 2 (com 11 anos), ele realmente absorveu tudo. O irmão, dois anos e meio mais novo, também. 
O post está aqui http://www.samshiraishi.com/presentear-com-livros/ e as dicas são estas:

• Ofereça desde cedo um acervo de livros com textos e ilustrações – uma pequena biblioteca construída e organizada com seu filho.

• Visite livrarias, faça com que tenha contato com diferentes materiais.

• Disponibilize lápis de cera, blocos de desenho para os primeiros experimentos.

• Conte-lhe, ao menos, uma pequena história diariamente.

• Folheie livros, revistas, jornais na sua presença.

• Peça que lhe conte histórias, manuseando livros, mesmo que ele não saiba ler.

• Peça que registre as histórias contadas com desenhos, palavras, frases.

• Deixe que a observe realizando alguns de seus escritos, como suas listas de compras, por exemplo. Procure fazê-las na letra de forma.



Isis Rocha dice:

Quanto à internet, concordo com o Ziraldo.

Ela é uma ferramenta facilitadora e se acostumar com facilidades é natural.

A leitura precisa ir além da tela, a pesquisa além do google e a escrita além dos blogs.

Livros, revistas e jornais não foram - e pra mim não poder ser - ultrapassados, mas são raros na vida dos pequenos de hoje - se comparado às outras gerações. São como viagens intelectuais no tempo, abrem a cabeça e precisam ser estimulados pelos pais e escolas.

Pois é, Aline, também vejo a tecnologia como aliada. Quantas vezes estamos jantando ou mesmo passeando em família e quando surge um assunto sobre o qual não sabemos tudo, as crianças pegam o iPod ou pedem para nós olharmos no smartphone ou tablet informações para confirmar algo que dizem? E quando queremos aprender, ouvir música, ver um vídeo, uma infinidade de aprendizado que está ali, ao alcance das mãos? 
É um uso parecido com o que a gente fazia quando criança (minha mãe sempre nos incentivou a ver na enciclopédia mais informações sobre o que víamos na TV, num filme, etc), com a diferença de que hoje as informações de consulta estão ao alcance de todos e na minha infância poucos tinham livros assim em casa. 

No final, ganhamos com a internet, mas ainda precisamos de pessoas que orientem e ensinem as crianças a usar da melhor forma estas ferramentas. 

Aline Kelly dice:

Acho que a Internet pode ser uma aliada, o problema não está nela, e sim no mal uso.
Concordo que a pesquisa escolar deve ir além do google, mas acredito que é exatamente aí que a tecnologia sendo usada com orientação, pode colaborar para tornar-se interessante com essa geração tão conectada. Hoje li a Folha (jornal que gosto muito) no Ipad de uma amiga, e achei a navegação super amigável, de imediato pensei no beneficio para a nova geração. 

Outra descoberta de hoje, foi um blog muito bacana que compartilha experiências educacionais de uso do conteúdo pedagógico nas aulas de informática. Contei aqui: http://encuentro2011.educared.org/profiles/blogs/blog-compartilha-e...

Então... Sei que é meio lugar comum que os relacionamentos modernos são superficiais e virtuais. Que o conhecimento é fragmentado como os hiperlinks das páginas da Web, mas... Nem sou educador, acho que vou apanhar :)

Acho que não tem como a pessoa que navega a Internet tem como ser menos profunda que seria se não navegasse.

A questão ao meu ver é que as pessoas que há 20 anos jamais leriam mais do que uma página de livro e nunca escreveriam mais do que um bilhete avisando "querida fui compra paum" hoje lêem e escrevem incontáveis posts e comentários em comunidades online.

Não é que as pessoas estejam superficiais, é que as pessoas superficiais estão habitando um mundo mais profundo.

Lembro da minha infância. Como bom nerd tinha lido uns 500 livros até os 14 ou 15 anos.Sabia matemática, astronomia e anatomia de crustáceos melhor do que alguns professores (curiosamente não gostava de Português).

Achava todo mundo muito superficial. Estudava o que a escola mandava, lia só as orelhas dos livros e olhe lá.

Hoje, ao pesquisar sobre um livro no Google é impossível não ir além do que há na orelha ou do resumo que o amiguinho fez.

Realmente não consigo imaginar como alguém pode ser menos profundo do que seria usando a Internet...

Mesmo a jovem criança nerd de hoje. Nos meus 11 anos eu frequentava a biblioteca do bairro ou livrarias. Hoje tenho certeza que os novos nerds encontram logo o MIT Open Course ou a Nature e mergulham lá sedentos de conhecimento... Eu só tinha a Popular Science :)

Desconfio que erramos o alvo ao ver na Internet uma certa natureza superficial. Não é ai que está o problema, mas na falta de uma cultura do conhecimento.

As pessoas não se divertem aprendendo, não tem prazer em descobrir coisas novas e se aprofundar nelas. Não adianta jogá-las dentro da biblioteca Nacional! Elas irão direto para o café e ficarão lá vendo a última edição de Burda... Ainda existe Burda?

E, gente... Livro não é papel, tá? Livro é palavra escrita. Se esse papo de relação lúdica com o papel fosse importante ainda estaríamos nas luminuras medievais e nos papiros, muito mais lúdicos do que esses bolos de papel feitos em grandes prensas computadorizadas.

Quer ensinar paixão pela leitura a um jovem? Mostre a ele como ler no Kindle e compartilhar com os amiguinhos trechos legais que ele for encontrando ou, com dois ou três toques de dedo na tela, escrever um post em seu Tumblr contando como é incrível que uma história de Machado de Assis, escrita mais de 100 anos antes dele nascer tem tanto a ver com o dia-a-dia dele!

O mundo está melhor, o livro também precisa ficar. E o livro digital é melhor que o livro de papel... É compartilhável e muito mais aprofundável.

Eu acho ótimo, Sam!

Escrevi sobre isso de biblioteca em casa há alguns dias também. http://maeemconstrucao.blogspot.com/2011/09/biblioteca-pra-comparti...

Acho fundamental orientar o uso da internet, como a Aline disse. Orientação é a base da educação como um todo, tudo em excesso/falta é ruim, não é?

Até porque não vejo sentido em criar filhos tentando prendê-los ao passado, negar a internet e benefícios que nós mesmos tanto utilizamos. Acho que ela tem que ser aproveitada sim, mas é preciso deixar claro pros filhos que a leitura - e a vida - vai além de laptop, tablet e smarts. 


Samantha Shiraishi dice:

Curioso este seu comentário. Ontem mesmo eu revivi um post antigão meu que falava sobre criar um ambiente leitor e habituar a criança a ler e escrever. Na época meu filho mais velho estava no primeiro ano do ensino fundamental e vejo que hoje, no primeiro ano do fundamental 2 (com 11 anos), ele realmente absorveu tudo. O irmão, dois anos e meio mais novo, também. 
O post está aqui http://www.samshiraishi.com/presentear-com-livros/ e as dicas são estas:

• Ofereça desde cedo um acervo de livros com textos e ilustrações – uma pequena biblioteca construída e organizada com seu filho.

• Visite livrarias, faça com que tenha contato com diferentes materiais.

• Disponibilize lápis de cera, blocos de desenho para os primeiros experimentos.

• Conte-lhe, ao menos, uma pequena história diariamente.

• Folheie livros, revistas, jornais na sua presença.

• Peça que lhe conte histórias, manuseando livros, mesmo que ele não saiba ler.

• Peça que registre as histórias contadas com desenhos, palavras, frases.

• Deixe que a observe realizando alguns de seus escritos, como suas listas de compras, por exemplo. Procure fazê-las na letra de forma.



Isis Rocha dice:

Quanto à internet, concordo com o Ziraldo.

Ela é uma ferramenta facilitadora e se acostumar com facilidades é natural.

A leitura precisa ir além da tela, a pesquisa além do google e a escrita além dos blogs.

Livros, revistas e jornais não foram - e pra mim não poder ser - ultrapassados, mas são raros na vida dos pequenos de hoje - se comparado às outras gerações. São como viagens intelectuais no tempo, abrem a cabeça e precisam ser estimulados pelos pais e escolas.

Então Roney,

Eu não acho que a minha filha precise estar aquém do que a internet é pra geração dela por querer passar pra ela minha experiência com a leitura, que está sim atrelada aos impressos.

A internet é linda e com mil oportunidades, mas não quero que a minha filha ache que ela é tudo, porque não é.

Sem orientação, sem um limite claro entre os mundos real e virtual corremos um grande risco de criar "gente fake", que não sabe viver além da rede.

Pode parecer drástico, mas se a gente não desvincula a criança da tela (seja ela qual for), ela não aprende a se relacionar com o que é real. E não dá pra ser nada no mundo virtual sem ser no "real".

 

Roney Belhassof dice:

Então... Sei que é meio lugar comum que os relacionamentos modernos são superficiais e virtuais. Que o conhecimento é fragmentado como os hiperlinks das páginas da Web, mas... Nem sou educador, acho que vou apanhar :)

Acho que não tem como a pessoa que navega a Internet tem como ser menos profunda que seria se não navegasse.

A questão ao meu ver é que as pessoas que há 20 anos jamais leriam mais do que uma página de livro e nunca escreveriam mais do que um bilhete avisando "querida fui compra paum" hoje lêem e escrevem incontáveis posts e comentários em comunidades online.

Não é que as pessoas estejam superficiais, é que as pessoas superficiais estão habitando um mundo mais profundo.

Lembro da minha infância. Como bom nerd tinha lido uns 500 livros até os 14 ou 15 anos.Sabia matemática, astronomia e anatomia de crustáceos melhor do que alguns professores (curiosamente não gostava de Português).

Achava todo mundo muito superficial. Estudava o que a escola mandava, lia só as orelhas dos livros e olhe lá.

Hoje, ao pesquisar sobre um livro no Google é impossível não ir além do que há na orelha ou do resumo que o amiguinho fez.

Realmente não consigo imaginar como alguém pode ser menos profundo do que seria usando a Internet...

Mesmo a jovem criança nerd de hoje. Nos meus 11 anos eu frequentava a biblioteca do bairro ou livrarias. Hoje tenho certeza que os novos nerds encontram logo o MIT Open Course ou a Nature e mergulham lá sedentos de conhecimento... Eu só tinha a Popular Science :)

Desconfio que erramos o alvo ao ver na Internet uma certa natureza superficial. Não é ai que está o problema, mas na falta de uma cultura do conhecimento.

As pessoas não se divertem aprendendo, não tem prazer em descobrir coisas novas e se aprofundar nelas. Não adianta jogá-las dentro da biblioteca Nacional! Elas irão direto para o café e ficarão lá vendo a última edição de Burda... Ainda existe Burda?

E, gente... Livro não é papel, tá? Livro é palavra escrita. Se esse papo de relação lúdica com o papel fosse importante ainda estaríamos nas luminuras medievais e nos papiros, muito mais lúdicos do que esses bolos de papel feitos em grandes prensas computadorizadas.

Quer ensinar paixão pela leitura a um jovem? Mostre a ele como ler no Kindle e compartilhar com os amiguinhos trechos legais que ele for encontrando ou, com dois ou três toques de dedo na tela, escrever um post em seu Tumblr contando como é incrível que uma história de Machado de Assis, escrita mais de 100 anos antes dele nascer tem tanto a ver com o dia-a-dia dele!

O mundo está melhor, o livro também precisa ficar. E o livro digital é melhor que o livro de papel... É compartilhável e muito mais aprofundável.

Penso como o Roney. E não precisa ser educador para perceber a multiplicidade de caminhos que a tecnologia coloca à disposição de quem quer se aprofundar no conhecimento. Não diria que o livro digital é melhor que o de papel, mas que é mais acessível e com múltiplas possibilidades de consulta. Não acredito que uma criança se aprofunde sozinha, na pesquisa , no estudo, se estiver navegando sem a orientação e intervenção de alguém responsável. Infelizmente, grande parte das crianças e adolescentes estão sozinhos na rede. Isto não é bom.

 

Muito oportuna a discussão!

Atualmente a escola tem trabalhado muito na formação de leitores e escritores competentes.

O livro é importante ferramenta na construção desse conhecimento.

A família também tem importante papel, pois ajuda a estimular seus filhos a gostar e apreciar os livros.

A internet realmente é fundamental nessa nova geração, o que diferencia é a questão da orientação de como e para que usa-lá. 

Isis, pessoalmente não acho que virtual e real tenham a ver com a comunicação intermediada por Internet, telefone, tv, livro ou mesmo voz.

Real é conhecer os ritmos do seu corpo, do seu ambiente. É se comunicar com franqueza, ouvir tentando escutar com os ouvidos do outro e não com os seus próprios, ou para ser mais claro: não tentar entender a cultura do outro tentando submetê-la a sua própria cultura.

Lembre-se de como os americanos eram considerados demônios pelos japoneses na segunda guerra mundial e vice-versa! As duas culturas tinham visões "fake" uma das outras.

A propósito pessoas fake, ao meu ver também são mais fáceis de sustentar fora da Internet do que dentro dela onde as diversas conexões sociais são muito mais visíveis e fica mais difícil esconder quem você realmente é.

É bom lembrar também que o fake mais perigoso é o psicopata que conhecemos pessoalmente e consegue iludir nossos sentidos e intuições. Sobre isso inclusive sugiro uma olhada em Gift of Fear de Gavin Baker e Assédio Moral (não lembro o nome da autora).

Quanto a ensinar a gostar de papel... Bem, eu adoro papel e provavelmente morrerei apreciando o som das folhas passando rapidamente entre meus dedos e o cheiro dos bons livros. A maioria das pessoas que conversa comigo se contamina um pouco pelo menos por minha paixão, mas temos que perceber que o livro vai muito além do papel ou das telas dos tablets.

Eu concordo com você quanto ao "se conhecer no real" ir além da comunicação, apesar de achar que ela é pelo menos grande parte desse processo.

Quando falo de gente fake, falo da atenção que nós pais precisamos ter com nossos filhos pra que eles não se acostumem com a facilidade das relações e informações obtidas com a internet e esqueçam de viver fora dela.

E, nesse aspecto, acho sim que a internet facilita a construção de conhecimento superficial, que só se aprofunda na vida dentro e fora dela quem é muito bem orientado desde pequeno.

Será que os pais de hoje estão preparados pra orientar as crianças a ir além do "ctrl c + ctrl v " e do "Compartilhar"?

Roney Belhassof dice:

Isis, pessoalmente não acho que virtual e real tenham a ver com a comunicação intermediada por Internet, telefone, tv, livro ou mesmo voz.

Real é conhecer os ritmos do seu corpo, do seu ambiente. É se comunicar com franqueza, ouvir tentando escutar com os ouvidos do outro e não com os seus próprios, ou para ser mais claro: não tentar entender a cultura do outro tentando submetê-la a sua própria cultura.

Lembre-se de como os americanos eram considerados demônios pelos japoneses na segunda guerra mundial e vice-versa! As duas culturas tinham visões "fake" uma das outras.

A propósito pessoas fake, ao meu ver também são mais fáceis de sustentar fora da Internet do que dentro dela onde as diversas conexões sociais são muito mais visíveis e fica mais difícil esconder quem você realmente é.

É bom lembrar também que o fake mais perigoso é o psicopata que conhecemos pessoalmente e consegue iludir nossos sentidos e intuições. Sobre isso inclusive sugiro uma olhada em Gift of Fear de Gavin Baker e Assédio Moral (não lembro o nome da autora).

Quanto a ensinar a gostar de papel... Bem, eu adoro papel e provavelmente morrerei apreciando o som das folhas passando rapidamente entre meus dedos e o cheiro dos bons livros. A maioria das pessoas que conversa comigo se contamina um pouco pelo menos por minha paixão, mas temos que perceber que o livro vai muito além do papel ou das telas dos tablets.

O que eu acho é que temos errado ao identificar a raiz dos problemas... Não creio que esteja na mediação da comunicação por essa ou aquela tecnologia. Creio que a TV e o livro eram até muito mais anti-sociais que a Internet e os games, mas eles tb não eram o problema... Se a realidade fosse boa a gente não fugiria dela.

A propósito outra leitura interessante é Reality is Broken da Jane McGonigal.

Todavia concordo com você: os pais devem ajudar os filhos a tornar sua realidade melhor que as fantasias, ou melhor ainda, inspirar a ter fantasias que podem ser tornadas reais.

E não... Acho que os pais nunca estiveram prontos para ajudar as crianças ;)

Isis Rocha dice:

Eu concordo com você quanto ao "se conhecer no real" ir além da comunicação, apesar de achar que ela é pelo menos grande parte desse processo.

Quando falo de gente fake, falo da atenção que nós pais precisamos ter com nossos filhos pra que eles não se acostumem com a facilidade das relações e informações obtidas com a internet e esqueçam de viver fora dela.

E, nesse aspecto, acho sim que a internet facilita a construção de conhecimento superficial, que só se aprofunda na vida dentro e fora dela quem é muito bem orientado desde pequeno.

Será que os pais de hoje estão preparados pra orientar as crianças a ir além do "ctrl c + ctrl v " e do "Compartilhar"?

Roney Belhassof dice:

Isis, pessoalmente não acho que virtual e real tenham a ver com a comunicação intermediada por Internet, telefone, tv, livro ou mesmo voz.

Real é conhecer os ritmos do seu corpo, do seu ambiente. É se comunicar com franqueza, ouvir tentando escutar com os ouvidos do outro e não com os seus próprios, ou para ser mais claro: não tentar entender a cultura do outro tentando submetê-la a sua própria cultura.

Lembre-se de como os americanos eram considerados demônios pelos japoneses na segunda guerra mundial e vice-versa! As duas culturas tinham visões "fake" uma das outras.

A propósito pessoas fake, ao meu ver também são mais fáceis de sustentar fora da Internet do que dentro dela onde as diversas conexões sociais são muito mais visíveis e fica mais difícil esconder quem você realmente é.

É bom lembrar também que o fake mais perigoso é o psicopata que conhecemos pessoalmente e consegue iludir nossos sentidos e intuições. Sobre isso inclusive sugiro uma olhada em Gift of Fear de Gavin Baker e Assédio Moral (não lembro o nome da autora).

Quanto a ensinar a gostar de papel... Bem, eu adoro papel e provavelmente morrerei apreciando o som das folhas passando rapidamente entre meus dedos e o cheiro dos bons livros. A maioria das pessoas que conversa comigo se contamina um pouco pelo menos por minha paixão, mas temos que perceber que o livro vai muito além do papel ou das telas dos tablets.

RSS

Nuevo Proyecto Fundación Teléfonica

EXPERIENCIAS EDUCATIVAS SXXI

¿Quieres conocer las últimas experiencias educativas? Asómate al nuevo proyecto de Fundación Telefónica

Encuentro Internacional Educación

imagem enlace à vídeo

Álbum fotográfico

Insiders

imagen enlace a la página de los insiders

imagem enlace à página dos insiders

© 2023   Creada por Encuentro Educación 2012 - 2013.   Con tecnología de

Insignias  |  Informar un problema  |  Términos de servicio