-¿Como gestionamos el cambio educativo en escuelas con pocos recursos?

-¿Como es posible distribuir el liderazgo entre los roles docente-alumno-comunidad, para fomentar el cambio educativo?

Como se pode fomentar um ambiente de aprendizagem democrático em um espaço educativo tradicional?

Nos deixe sua resposta.

Vistas: 6696

Respuestas a esta discusión

Creo que primeramente hay que enfocarnos en el desarrollo de los docentes, para poder hacer esto es necesario  una persona altamente capacitada para que este al mando de instituciones de este tipo, de esta manera pensando en el futuro, osea, en objetivos a largo plazo, deberíamos centrarnos en encontrar  soluciones y respuestas, no tanto en las causas.

 

La profesora Ursula  Oberst trata en el artículo; “Educación Democrática versus Educación Tradicional”,  nos recuerda lo importante que es formar en un ambiente de tolerancia y aceptación de las diferencias. Realiza su análisis en función de los aportes realizados por Dreikurs y su contribución a la educación para la democracia.

Olá, pessoal!

Como já dito, cheguei à escola Campos Salles com duas idéias na cabeça: tudo para pela educação e escola como centro de liderança atuando articuladamente com as lideranças comunitárias. No ano de 1999, com o assassinato de uma aluna da Educação de Jovens e Adultos (EJA), procurei as lideranças comunitárias da UNAS (União de Núcleos, Associações e Sociedades de Moradores de Heliópolis e São João Clímaco) e propus fazermos uma caminhada pela paz pelas ruas e vielas de Heliópolis. Uma das principais lideranças comunitárias presente à reunião, João Miranda Neto, quando perguntei se ajudariam a organizar a caminhada, respondeu nos seguintes termos:"Você não precisa fazer uma pergunta dessa para nós, se a escola Campos Salles está, nós também já estamos, pois somos a mesma coisa". Após ouvir esta resposta percebi claramente que as duas idéias tinha se tornado realidade e que os problemas da escola era da comunidade e vice-versa. Trabalhamos durante três meses para mobilizar a comunidade e realizamos em junho de 1999 a primeira caminhada pela paz de Heliópolis. A Caminhada é anual e a próxima, 2013, será a 15ª.

Em 1999, a escola Campos Salles já havia se tornado modelo no quesito relação escola/comunidade. A escola estava na mídia e quanto mais aparecia mais triste ficávamos, pois a forte integração escola/comunidade não levou à mudança na relação professor-aluno que predominava nas salas de aula. As práticas pedagógicas que predominavam estavam ancoradas nas concepções que veem a criança como um ser menor, uma miniatura de adulto, uma tábula rasa, etc. Interferir na relação professor-aluno passou a ser o nosso grande desafio. Nos próximos passos mostrarei com o vem se dando esta intervenção. Um forte abraço. Braz.

Boa tarde professor Braz. 

Ótimas colocações as suas. 

Gostaria de saber como é a atuação de líder diante da integração da comunidade para que os interesses individuais/políticos de algumas pessoas que querem se promover não se sobressaiam ao objetivo do projeto. Também queria saber se, no caso da Escola Campos Salles houve esse tipo de problema e como foi enfrentado. 

Pergunto porque já vi experiências em que havia a oportunidade de se criar um novo projeto pedagógico e devido a interesses desse tipo a mudança não ocorreu. Acredito que a integração da comunidade dentro da escola é um dos principais desafios. 

Olá, Jussara!

Não sei se vou conseguir responder à sua pergunta neste momento. Caso não consiga, agora, até o final do debate penso que você será esclarecida. Vejo que as escolas dizem que chamam a comunidade para participar da vida da escola e ela não participa. Nós da escola Campos Salles participamos também da vida e das atividades da comunidade, construímos uma via de mão dupla, ou seja, não é só a comunidade que deve participar da vida da escola, esta também deve participar da vida da comunidade. Os interesses particulares e os conflitos estão presente em qualquer processo. Não nos perdemos porque o nosso foco é a transformação social pela educação, que vai para muito além da escola, com base na justiça, na democracia, na autonomia, na responsabilidade e na solidariedade. O grupo do qual faço parte tem sido um grande problema para aqueles que querem alçar um voo solo, como se o outro não existisse, isto ocorre também dentro da escola. Até mais e um forte abraço. Braz.

Buenos días! Nos gustaría invitar a todos a seguir con las reflexiones sobre la gestiond del cambio educativo y intercambiar opiniones y ideas sobre ese tema en el  debate en vivo con Javier Murillo y Heloísa Mesquita, hoy a las 17h (España) / 13h (Brasil). En esta actividad debatimos sobre los modelos de gestión exitosos en el ámbito educativo, haciendo referencia a las estructuras organizativas que resultan más eficaces en los centros actuales.

Hoy, a las 17h (España) / 13h Brasil. Debate en vivo con Javier Murillo y Heloísa Mesquita sobre Gestión del cambio educativo.

--

Bom dia! Gostaríamos de convidar a todos para continuar com as reflexões sobre a importância da gestão da mudança educativa e intercambiar opiniões e idéias sobre esse assunto no debate ao vivo com Javier Murillo e Heloísa Mesquita, hoje às 17h (España) / 13h Brasil (horário de Brasília). Nessa atividade debateremos sobre os modelos de gestão de sucesso no âmbito educativo, fazendo referência às estruturas organizativas que resultam mais eficazes nos centros atuais.

Hoje, às 17h (Espanha) / 13h Brasil (horário de Brasília). Debate ao vivo com Javier Murillo e Heloísa Mesquita sobreGestão da mudança educativa.

Olá, Pessoal!

Como interferir na relação professor aluno? Acima foi dito que a partir de 1999 este passou a ser o nosso maior desafio. Em outras palavras a pergunta seria: como ancorar as práticas pedagógicas nas concepções que veem a criança como ser completo, integral e competente? Competente para se organizar individual e coletivamente para aprender e viver de forma autonoma.

Em 2004, entraram três professoras na sala da direção e uma delas, professora Mara, disse-me: "Braz a nossa escola, sem nehuma dúvida, é modelo no quesito relação escola-comunidade, mas infelizmente as coisas não rolam na sala de aula". A esta pergunta respondi com outra pergunta: qual  a proposta de vocês para que as coisas rolem lá na sala de aula? A professora Mara respondeu que em Portugal havia uma escola chamada Escola da Ponte e que lá não havia seriação, não havia ciclo, não havia paredes etc.Fiz uma série de pontuações e vocês podem imaginar algumas delas.

Ainda no ano de 2004, comecei uma pós-graduação lato sensu em educação comunitária e o meu trabalho de conclusão de curso acabou sendo a Implementação de uma Metodologia de Ensino com Base nos Princípios da Escola da Ponte.

Na minha próxima intervenção escreverei sobre as articulaçoes feitas para que o Projeto fosse aprovado pelo Conselho de Escola. Um forte abraço. Braz.

Buenos días.

Primeramente felicitarlo por el trabajo realizado, es digno de reconocimiento y un ejemplo a seguir. Esta historia la voy hacer extensiva a mis colegas para motivarlos en su labor, por supuesto con su consentimiento. Gracias.

Generar el cambio en una institución con recursos limitados debe partir por el concepto que tenga el docente sobre sí mismo y su compromiso con la educación. A partir de ello, compenetrarse con la comunidad educativa para atender a sus reales necesidades. Cuando la comunidad se de cuenta que la escuela responde a sus expectativas aprovechará al máximo cualquier oportunidad que le permita desarrollarse y cambiar en beneficio propio. En esta situación al asumir el rol que le corresponde a cada uno: docente-alumno-comunidad comparten sus responsabilidades de manera pro positiva encaminando el cambio necesario en la institución con una visión de futuro.

Olá, Carlos Manuel!

Foi um prazer ler seu comentário. Não acreditamos em direito autoral em educação e fico muito feliz quando a nossa experiência pode ser fonte de inspiração. Vamos transformar o mundo pela educação, meu irmão. Seu comentário nos fortalece. Quando cheguei na escola Campos Salles ela era cercada por um muro de alvenaria muito alto e no topo dele tinha estacas de ferro e três fileiras de arame farpado, a escola não era vista de fora. Depois de alguns anos substituímos o muro por um gradil, quem estava na escola passou a ver as pessoas que estavam fora e vice-versa. Alguém me denunciou. Quando todo mundo aceitou o gradil nós o retiramos também. Daí sermos conhecido como "a escola sem muro". Em 2002 foram roubados 21 computadores que ainda estavam nas caixas. Saí pela comunidade juntamente com algumas lideranças comunitárias, dizíamos para as pessoas que encontrávamos pelas ruas e nos bares que os filhos deles haviam sido roubados e se os computadores não voltassem para a escola, era, então, mentira que existia uma forte relação escola-comunidade. Três dias depois, numa das ruas fui abordado por um carro e uma moto. O rapaz do carro pôs a cabeça para fora e disse: "é sobre o barato dos computadores, nós vamos devolver todos e queremos sua autorização para devolver na comunidade, pois temos preocupação em devolver na escola e termos problema com a polícia." Os computadores foram devolvidos. Estamos trabalhando para que aqueles que trabalham na escola sintam-se sereno e seguro, com a consciência, de que pertencem a uma comunidade muito maior, ou seja, a comunidade onde a escola esta inserida. Um forte abraço. Braz.

Buenos días! Nos gustaría invitar a todos a seguir con las reflexiones sobre el cambio en los centros educativos y intercambiar opiniones y ideas sobre ese tema en la  cuarta sesión del taller en vivo con Mª Jesús Mata, hoy a las 17h (España) / 13h (Brasil). Esa actividad está enmarcado en el eje temático de Gestionar el cambio educativo en la época actual y sus objetivos son: reconocer los objetivos, tipos y momentos de cambios, conocer cuáles son las resistencias más comunes a los cambios y por qué se producen y aprender un modelo que nos permita gestionar las resistencias en los docentes.

 

Te animamos a visualizar el material recomendado antes de asistir al taller.

Hoy, a las 17h (España) / 13h Brasil. Taller en vivo con Mª Jesús Mata sobre Gestión del cambio en los docentes.

--

Bom dia! Gostaríamos de convidar a todos para continuar com as reflexões sobre a mudança nos centros educativos e intercambiar opiniões e idéias sobre esse assunto na quarta sessão da Oficina ao vivo con Mª Jesús Mata, hoje às 17h (España) / 13h Brasil (horário de Brasília). Essa oficina está compreendida no eixo temático de Gestão da mudança educativa na atualidade e tem como objetivos: reconhecer os objetivos, tipos e momentos de mudança, conhecer quais são as resistências mais comuns às mudanças e porquê acontecem y aprender um modelos que nos permita gerir as resistências nos docentes.

 

Convidamos você para realizar as leituras recomendadas (em espanhol) antes da oficina.

Hoje, às 17h (Espanha) / 13h Brasil (horário de Brasília). Oficina ao vivo com Mª Jesús Mata sobre Gestão da mudança nos docentes.

Olá, pessoal!

Com este video pode-se visualizar as diferenças das vivências em uma escola tradicional e uma escola inovadora com relatos de alunos.

 http://www.youtube.com/watch?v=BMX3bRkIB-4

Professor, muito bom este vídeo. 

Muito obrigada por compartilhar, pois vemos que é possível formarmos cidadãos!! 

RSS

Nuevo Proyecto Fundación Teléfonica

EXPERIENCIAS EDUCATIVAS SXXI

¿Quieres conocer las últimas experiencias educativas? Asómate al nuevo proyecto de Fundación Telefónica

Encuentro Internacional Educación

imagem enlace à vídeo

Álbum fotográfico

Insiders

imagen enlace a la página de los insiders

imagem enlace à página dos insiders

© 2023   Creada por Encuentro Educación 2012 - 2013.   Con tecnología de

Insignias  |  Informar un problema  |  Términos de servicio